Estêvão, o primeiro mártir cristão

fiel-ate-o-fim

Fidelis usque ad mortem.

… Eis que vejo os céus abertos, e o Filho do homem, que está em pé à mão direita de Deus (…)  E apedrejavam a Estêvão, que em invocação dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito (At 7.56,59).

Estêvão, diácono e evangelista, é o primeiro a receber a coroa do martírio pelo nome de Jesus. Ele permanece à frente do “nobre exército dos mártires”. Ele é perfeito como uma figura – um protótipo de um verdadeiro mártir. Firme e inabalável em sua fé. Ousado e destemido diante de seus acusadores. Aguçado e fiel em sua defesa diante do Sinédrio. Livre da malícia em suas mais fortes declarações. Cheio de caridade para com todos os homens, ele sela seu testemunho com seu sangue, e então dorme em Jesus.

Em alguns aspectos, Estêvão lembra o próprio bendito Senhor. “Senhor Jesus, recebe o meu espírito” (Atos 7:59), parece com “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”(Lucas 23:46); e de novo, “Senhor, não lhes imputes este pecado” (Atos 7:60), lembra “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lucas 23:34), apesar de Estêvão não indicar a ignorância deles.

Já podemos ver que problemas, tanto do lado de dentro quanto do lado de fora, atacam a jovem igreja. É verdade que a palavra de Deus aumentou, multidões foram convertidas, e uma grande parte dos sacerdotes eram obedientes à fé. Porém os gregos, ou helenistas (judeus de origem grega), murmuravam contra os hebreus (nativos da Judeia), porque suas viúvas eram negligenciadas na ministração diária. Isto levou à nomeação de sete diáconos (Atos 6). Pelos seus nomes aqui dados, parece que os sete escolhidos eram gregos – todos do lado dos murmuradores. Assim o Espírito de Deus dominou em graça. Estêvão era um deles, e neste caso, a palavra do apóstolo foi exemplificada: aqueles que “servirem bem como diáconos, adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus.” (1 Timóteo 3:13). Ele era cheio de fé e poder, e fazia grandes maravilhas e milagres entre o povo. A energia do Espírito Santo se manifestava especialmente em Estêvão.

Havia diferentes sinagogas em Jerusalém apropriadas para diferentes raças de judeus. Foram as sinagogas dos libertinos, dos cireneus, etc., que se opunham a Estêvão. Mas “não podiam resistir à sabedoria, e ao Espírito com que falava”. Segue-se, então, o que tem geralmente acontecido com os que confessam a Jesus em todas as eras: incapazes de respondê-lo, eles o acusam perante o conselho. Falsas testemunhas são subornadas para jurar que eles o tinham ouvido falar “palavras blasfemas contra Moisés, e contra Deus”, e que Jesus de Nazaré destruiria aquele lugar e mudaria os costumes entregues a eles por Moisés. O caso estava agora diante do Sinédrio – o julgamento começa. Mas o que seus juízes teriam pensado quando viram sua face radiante como a face de um anjo?

Temos o nobre discurso de Estêvão aos chefes da nação diante de nós. Convincente, desconcertante e esmagador. Sem dúvidas, foi um testemunho do Espírito Santo aos judeus, da boca de Estêvão, e ainda mais humilhante para os orgulhosos judeus: ouvirem sua condenação dos lábios de um helenista. Mas o Espírito de Deus, quando sem impedimentos pelos arranjos do homem, opera por quem Ele quer.

Estêvão recapitula, em linguagem ousada, os principais pontos de sua história nacional. Ele fala especialmente das histórias de José e de Moisés. O primeiro, seus pais (os outros dos doze filhos de Jacó) o haviam vendido aos gentios, e o último desprezaram como príncipe e juiz. Ele também os acusa de sempre resistir ao Espírito Santo – de sempre desobedecerem a lei – e agora por terem sido os traidores e assassinos do Justo. Aqui a testemunha fiel de Cristo foi interrompida. Não lhe foi permitido terminar seu discurso – uma figura, tão verdadeira, do tratamento para com os mártires daqueles dias até hoje. Os murmúrios, a indignação, a fúria do Sinédrio, estavam fora de controle. “E, ouvindo eles isto, enfureciam-se em seus corações, e rangiam os dentes contra ele.” (Atos 7:54). Mas, em vez de dar prosseguimento ao discurso, ele entra em êxtase de coração ao Senhor e fixa seus olhos no Céu – o lar e centro de união para todo Seu povo.

“Eis que vejo”, diz Estêvão, “os céus abertos” (Atos 7:56). Ele está cheio do Espírito Santo enquanto olha para o alto, e vê o Filho do homem de pé, ali, pronto para receber seu espírito. _ “Tal é”, escreveu alguém, “a posição do verdadeiro crente – ligado ao Céu, bem acima da Terra – na presença do mundo que rejeitou a Cristo, um mundo assassino. O crente, vivo na morte, vê, pelo poder do Espírito, o Céu, e o Filho do homem à direita de Deus. Estêvão não diz ’Jesus’. O Espírito O caracteriza como ’o Filho do homem’. Que precioso testemunho para o homem! Não é sobre a glória que Ele aqui testifica, mas sim sobre o Filho do homem na glória, tendo os céus abertos diante dele… Quanto ao objeto de fé e a posição do crente, essa cena é definitivamente característica.”

Estêvão morreu – ao que parece – durante o governo do imperador Tibério, por volta do ano 34 a 37. Suas últimas palavras foram:

“… Senhor Jesus, recebe o meu espírito (…). Não lhes imputes este pecado… (At 7.60).

 

Veja também o vídeo a seguir:

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Referência bibliográfica

  • MILLER, Andrew. A História da Igreja – Vol. 1. São Paulo: Depósito de Literatura Cristã: 2011,  pp. 44-46 .
Esta entrada foi publicada em Teologia e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a Estêvão, o primeiro mártir cristão

  1. Cícera Amorim disse:

    Testemunho fiel e verdadeiro de Estêvão, que Deus nos ajude a ser parecido com ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.