A Revolução Industrial

Normalmente, uma revolução é conceituada como uma profunda mudança no âmbito econômico, social, politico, artístico e científico. No caso da Revolução industrial, esta foi definida nestes termos por ter sido fruto de um conjunto de mudanças que aconteceram na Europa nos séculos XVIII e XIX. A principal particularidade dessa revolução foi a substituição do trabalho artesanal pelo assalariado e com o uso das máquinas.

Capa do filme Tempos Modernos, de Charlie Chaplin.

1. A Revolução Industrial

Até o final do século XVIII a maioria da população europeia vivia no campo e produzia o que consumia. De maneira artesanal o produtor dominava todo o processo produtivo.

Apesar de a produção ser predominantemente artesanal, países como a França e a Inglaterra, possuíam manufaturas. As manufaturas eram grandes oficinas onde diversos artesãos realizavam as tarefas manualmente, entretanto subordinados ao proprietário da manufatura.

A partir de 1760, a forma de produzir mercadorias mudou radicalmente com a invenção de máquinas movidas a vapor e a  organização do trabalho em fábricas. As transformações causadas por essas inovações não se restringiram à produção, mas afetaram também as relações sociais, a forma de viver, o significado do trabalho. O conjunto das inovações técnicas e tecnológicas e as mudanças globais causadas por elas ficou conhecido como Revolução Industrial.

As oficinas artesanais deram lugar a grandes fábricas. A força motriz humana ou animal foi gradativamente substituída pelas máquinas a vapor e, posteriormente, pela eletricidade e combustão. As antigas ferramentas perderam espaço para as modernas máquinas. E, sobretudo, a quantidade de mercadorias produzidas aumentou em muitas vezes.

A Revolução Industrial representou um forte impacto na vida das pessoas. O aumento da produção contribuiu para o surgimento de novas necessidades e modificou o comportamento social. Os indivíduos e as empresas foram motivados a consumir os novos produtos, gerando a ampliação do mercado.

2. Inglaterra: pioneira na Revolução Industrial

A Revolução Industrial começou na Inglaterra em meados do século XVIII, por uma série de razões, entre elas:

  • possuía uma rica burguesia que acumulou imensas fortunas através da exploração direta de colônias inglesas afro-asiáticas e americanas;
  • possui a mais importante zona de livre comércio da Europa;
  • o êxodo rural provocado pela expulsão dos camponeses do campo, por causa dos cercamentos [1];
  • localização privilegiada junto ao mar o que facilitava a exploração dos mercados ultramarinos;
  • existência, no território inglês, de grandes jazidas de carvão e ferro, matérias-primas essenciais à produção de energia a vapor e à construção de máquinas…
Os cercamentos foram um processo que ocorreu no contexto de 
crescimento da indústria de lã inglesa, que constituía a 
principal matéria-prima da indústria têxtil inglesa, junta-
mente com o algodão. As consequências deste processo foram,
entre outras:
- expulsão dos camponeses;
- transformação dos campos em pastagens de ovelhas;
- incêndio às cabanas/aldeias dos camponeses; 
- êxodo rural: busca de emprego nas cidades; 
- grande oferta de mão-de-obra (barata) para se utilizada
  nas indústrias.

As mudanças no campo, provocadas pelos cercamentos, e o desenvolvimento industrial estimularam a urbanização, uma vez que as pessoas passaram a se concentrar nas regiões das fabricas.  À medida que as cidades cresciam, a população operária era deslocada para fora do perímetro das grandes avenidas e das ruas largas e arborizadas. Para os pobres, restaram apenas a vizinhança das fábricas, em regiões poluídas e barulhentas, e os bairros mais distantes, desprovidos de saneamento básico, iluminação e serviços públicos

3. As máquinas

As máquinas consideradas como o grande símbolo da Revolução Industrial, foram aperfeiçoadas devido à necessidade de se produzir cada vez mais para se obter um lucro maior. No século XVIII, havia um crescente mercado consumidor para os tecidos de algodão e de lã. O número de habitantes crescia. A necessidade de oferecer vestimentas a essa população foi o estímulo para invenções que facilitavam o processo de produção.

Até 1735, a fabricação inglesa de fios e tecidos era muito lenta, pois o processo manual exigia grande habilidade e força muscular dos trabalhadores. Nesse ano, John Kay inventou um sistema mecânico conhecido como lançadeira volante, e a participação humana no processo foi eduzida à pessoa encarregada de operar a máquina.

Uma invenção não nasce apenas do talento e do esforço de um indivíduo, mas do desempenho de vários, pois um invento sempre está de alguma forma relacionado ao anterior. Uma invenção também não nasce por acaso. Surge do empenho de pessoas que procuram respostas para as necessidades sociais de seu tempo.

Na década de 1760, outras máquinas vieram facilitar o trabalho nas indústrias de tecidos. A spinning jenny, inventada pelo tecelão e carpinteiro James Hargreaves, era uma roda de fiar manual, porém, com vários fusos. Nesse tear, um único operário controlava a produção. A water-frame, que utilizava a água como força motriz, foi inventada por Richard Arkwright, e era um aperfeiçoamento da spinning jenny.

Em 1769, James Watt deu o passo fundamental: criou um equipamento capaz de transformar o vapor em fonte de energia. Em pouco tempo, o carvão passou a ser queimado em enormes caldeiras, produzindo o vapor que movimentava, a baixo custo, as mais diferentes máquinas.

Paralelamente, ocorreu o desenvolvimento dos transportes e da indústria do ferro. Com a introdução do vapor usado como fonte de energia nas máquinas e locomotivas, ocorreu uma dinamização no sistema de transportes de pessoas e de mercadorias. Várias linhas férreas se espalharam pela Inglaterra a partir de década de 1820

Resultado de imagem para Locomotiva 1814

Locomotiva. Imagem disponível em: <http://www.walldesk.com.br/fotos/papel-de-parede_saginaw-timber-company-north-freedom-wisconsin/>.

A locomotiva a vapor foi um importante apoio logístico para o desenvolvimento industrial, bem como para encurtar as distâncias. Os ingleses passaram a conhecer locais mais distantes e diferentes daqueles a que estavam acostumados. A invenção do barco a vapor (1807) e da locomotiva (1814) contribuíram para diminuir o tempo, os riscos e os custos das viagens, contribuindo de modo decisivo para ampliar os mercados e dar enorme impulso à industrialização.

3. Consequências da Revolução industrial

A partir da Revolução Industrial o mundo não seria mais o mesmo. Também as relações entre as pessoas mudaram em muitos aspectos. Mecanização, novos produtos, poluição ambiental e conflitos sociais passariam, cada vez mais, a fazer parte do cotidiano da maioria das sociedades. Era a consolidação do capitalismo, agora em bases industriais.

Vejamos, a seguir, algumas das principais consequências da Revolução Industrial:

  • utilização constante de máquinas e maior divisão do trabalho, com o consequente aumento da produção e produtividade e a perda, por parte do trabalhador, do controle sobre o próprio trabalho e sobre os lucros dele advindos;
  • crescimento da urbanização e despovoamento das áreas ruais;
  • ruína dos artesãos, que não conseguiam competir com mercadorias mais baratas produzidas pelas fábricas;
  • consolidação do sistema capitalista de produção;
  • expansão do colonialismo; os países colonialistas tinham como objetivo conseguir matérias-primas e mercados consumidores para seus produtos;
  • desenvolvimento dos meios de transporte e de comunicação.

No século XIX, algumas teorias sobre as questões do capitalismo, formação de sindicatos e formulação de leis em defesa do trabalhador, são assuntos que pretendemos falar em outro artigo.

Veja o vídeo a seguir.

Destaques:

  • A chegada das máquinas na indústria, no século XVIII, mudou a sociedade e o mundo.
  • A Revolução Industrial começou num país que tinha melhores condições de bancar o desenvolvimento da indústria: a Inglaterra.
  • Em 1760, são inventadas as primeiras máquinas de fiar e, em 1779, a máquina a vapor.
  • A mineração e a fabricação de tecidos são as primeiras a serem atingidas. – Na indústria têxtil, as máquinas substituem a manufatura artesanal.
  • As pequenas manufaturas não conseguem competir com as máquinas. Estas são muito caras.
  • A produção em série, por conta das máquinas, e o dinheiro proveniente das colônias, serviram para enriquecer os capitalistas.
  • Surge, então, o chamado Capitalismo Industrial.
  • A indústria fez crescer as cidades, promoveu a migração de pessoas do campo para as cidades, incentivou o transporte…
  • Surge o proletariado: homem, mulher e filhos trabalhando nas fábricas, ganhando um mísero salário para sobreviverem.
  • Não havia leis que defendessem o trabalhador. As primeiras leis surgiram só depois de muitas greves e lutas…

A questão do desemprego, greve, poluição, exploração do trabalhador e outras são bastante enfatizadas no filme Tempos Modernos.

Bibliografia

  • BRAICK, Patrícia Ramos & MOTA, Myriam Becho. História: das cavernas ao terceiro milênio – 7ª série. São Paulo: Moderna, 2006, p. 48 a 56.
  • SÓ História. Revolução Industrial. Disponível em:<http://www.sohistoria.com.br/resumos/revolucaoindustrial.php>. Acesso em 12/11/2015.
  • PILETTI, Nelson & Cládino. História: EJA – Educação de Jovens e Adulto – Ensino Fundamental, 4º Ciclo. São Paulo: Ática: 2003, p. 14 a 17
  • Telecurso do Ensino Médio – Vídeo-aula. In: http://www.youtube.com/watch?v=_X92SVn3qXk. Acesso em 02/04/2013.

 

Esta entrada foi publicada em História e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.