Fundamentalismo protestante: dificuldades de interação e diálogo com a cultura brasileira

Resumo

Este trabalho destaca o conceito de cultura e etnocentrismo, faz uma breve análise da relação entre protestantismo e cultura brasileira herdada de nossas matrizes étnico-culturais, a branca, a indígena e a negra. Faz um histórico da Igreja Católica portuguesa e o seu papel “civilizador” entre os indígenas e negros, do trabalho do protestantismo de missão como anticatólico e seu evangelismo “aculturador”, da origem do pentecostalismo e neopentecostalismo, com destaque às Assembleias de Deus e Igreja Universal do Reino de Deus. Destaca como o crescimento do pentecostalismo e neopentecostalismo e principalmente sua atuação na mídia e na política cooperaram para aumentar os estereótipos e oposições de alguns setores da sociedade aos evangélicos, mas por outro lado, também cooperado para tornarem-se notórios os casos de intolerância com alcunha de “evangélicos fundamentalistas”. Propõe que a busca da interação e diálogo pelo caminho da tolerância aconteça, pois como seres sociais e culturais, ocupando os mesmos espaços, não há outro caminho senão a boa convivência entre protestantes e não-protestantes, obedecendo os limites e a liberdade das escolhas de cada um. Termina afirmando que é possível ao protestante continuar vivendo sua fé, anunciar sua mensagem, a revelação, portanto supra cultural, num contexto cultural bastante diversificado como o da sociedade brasileira e com menos atritos de ideias e sem conflitos.

Palavras-chave: Cultura – Igreja Católica – Etnocentrismo – Protestantismo – Fundamentalismo – Pentecostalismo – Neopentecostalismo – Intolerância – Diálogo.

Veja o trabalho completo, gravado em PDF em:

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Fundamentalismo protestante: dificuldades de interação e diálogo com a cultura brasileira

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Esta entrada foi publicada em Teologia e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.