Tiago Maior

Como já dissemos, dos quatro Tiago (em grego, Ιάκωβος ou em hebraico, יעקב = Jacob) citados no Novo Testamento, os mais destacados são o Tiago, irmão do Senhor e Tiago, filho de Zebedeu, também conhecido como Tiago Maior, do qual falaremos em poucas palavras a seguir.

1. Apóstolo, “filho do trovão”

E a Tiago, filho de Zebedeu, e a João, irmão de Tiago, aos quais pôs o nome de Boanerges, que significa: Filhos do trovão;(Mc 3.17) [1]

Santiago em oração [2]

De acordo com Mateus 4.21, Tiago e João, seu irmão, eram filhos de um galileu chamado Zebedeu. Tiago foi chamado por Jesus e tornou-se um de seus apóstolos (Mateus 10.1-5) e sempre aparece em companhia de seu irmão. A expressão “Boanerges” (filhos do Trovão) em referência aos mesmos indica seu caráter intempestivo demonstrado em várias ocasiões, algumas de modo especial como:

  • quando da ressurreição da filha de Jairo (Mc 5.37):

E não permitiu que alguém o seguisse, a não ser Pedro, Tiago, e João, irmão de Tiago.”

  • no momento da transfiguração de Jesus no monte Tabor (Mt 17.1-2):

Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, seu irmão, e os conduziu em particular a um alto monte, E transfigurou-se diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz”.

  • quando da recusa dos samaritanos em receber Jesus e seus discípulos, e Tiago entre eles. Este e seu irmão são repreendidos severamente por Jesus, por falarem ao Mestre se podiam pedir fogo do céu para os consumir (Lc 9.54):

E os seus discípulos, Tiago e João, vendo isto, disseram: Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez?

  • quando da solicitação dele e de seu irmão para que o Mestre reservasse dois lugares especiais na sua glória, um à esquerda e outro à direita (Mc 10.35-37):

E aproximaram-se dele Tiago e João, filhos de Zebedeu, dizendo: Mestre, queremos que nos faças o que te pedirmos. E ele lhes disse: Que quereis que vos faça? E eles lhe disseram: Concede-nos que na tua glória nos assentemos, um à tua direita, e outro à tua esquerda”.

Segundo o relato de Mateus (20.20-21), esse pedido feito por Tiago e João foi orientado pela sua mãe (Salomé?[3]):

Então se aproximou dele a mãe dos filhos de Zebedeu, com seus filhos, adorando-o, e fazendo-lhe um pedido. E ele diz-lhe: Que queres? Ela respondeu: Dize que estes meus dois filhos se assentem, um à tua direita e outro à tua esquerda, no teu reino”.

2. Seu martírio e contexto histórico-religioso

O imperador Calígula havia dado o título de rei a Herodes Agripa, neto de Herodes o Grande. Segundo Atos 12.1-3, Herodes fez matar Tiago, o irmão de João – que não deve ser confundido com Tiago, o irmão de Jesus… (González: 1995. Op. Cit., p. 35).

O pedido feito pela mãe de Tiago e João, aparentemente inocente, pensando apenas em recompensas pelo fato de seus filhos serem súditos do rei e messias, teve uma reposta que, ao que parece, não foi entendida por ela e seus filhos:

Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que eu hei de beber, e ser batizados com o batismo com que eu sou batizado? Dizem-lhe eles: Podemos. (Mt 20.22).

A resposta afirmativa dos dois irmãos, “podemos”, em relação a beber do cálice que Jesus bebeu, cumpriu-se com o sofrimento e morte dos mesmos, conforme as palavras de Jesus: “…na verdade bebereis o meu cálice e sereis batizados com o batismo com que eu sou batizado” (Mt 20.23a). João, ao que parece, bebeu o cálice ao qual Jesus se referiu, com o sofrimento na ilha de Patmos, conforme lemos em Apocalipse 1.9: “Eu, João, que também sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Jesus Cristo, estava na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus, e pelo testemunho de Jesus Cristo”. Ele morreu de forma natural com 94 anos de idade[4], na cidade de Éfeso, durante o governo de Trajano (98-117). Mas Tiago não teve a mesma sorte e morreu ainda jovem.

Segundo Atos 12.1-2 “… por aquele mesmo tempo o rei Herodes estendeu as mãos sobre alguns da igreja, para os maltratar; E matou à espada Tiago, irmão de João”. Nesta época, “… o imperador Calígula havia dado o título de rei a Herodes, Agripa, neto de Herodes o Grande.” (GONZÁLEZ: 1995, p. 35). Foi este Herodes Agripa que ordenou a morte, à espada, de Tiago, cumprindo-se a profecia de Jesus de que ele “beberia do cálice que Ele bebeu”. Em relação à data de sua morte, González não informa, mas ao que parece, Herodes Agripa fez isto já no governo do imperador romano Cláudio (41-54), cerca do ano 44[5]. Depois disto, a Bíblia não fornece mais informações acerca de Tiago, conhecido como “Maior”.

Clemente de Alexandria registra uma história concernente ao martírio de Tiago, a qual pode ser verossímil. Enquanto se dirigia ao lugar da execução, o soldado ou oficial que o havia denunciado ao tribunal, mais exatamente seu acusador, ficou tão admirado com a coragem e a ousada confissão de Tiago durante 0 julgamento que se arrependeu do que fizera. Então ajoelhou-se aos pés do apóstolo, implorando perdão por tudo que dissera contra ele. Tiago, depois de se recuperar do espanto, colocou-o de pé, e o beijou e abraçou, dizendo: ‘Paz, meu filho! A paz seja contigo e o perdão de seus pecados.’ Imediatamente, o ex-inimigo confessou diante de todos que agora também era cristão, e os dois foram decapitados juntos.  Assim caiu Tiago, o proto-mártir apostólico, bebendo alegremente do cálice, como o Senhor, muito tempo antes, lhe havia alertado.(MILLER: 2011, p. 70 – Negritos/destaques meus).

 

3. Tiago Maior em Compostela?

Acredito que as informações contidas nas Escrituras acerca de Tiago Maior já são suficientes para nós cristãos. Mas há muitos que acham que Tiago esteve na Espanha após a crucificação de Jesus (ou após o Pentecostes?)[6], embora a Bíblia não faz referência a isto, e que depois de seu sepultamento, em Jerusalém, seu corpo fora trazido para aquela região (Espanha).

Como trata-se de uma lenda que foi incorporada à tradição católica achei por bem certificar-me de escritos e opiniões das próprias autoridades católicas sobre o assunto [7]. O fato é que esta tradição é aceita pelo clero católico como “verdade”.

Segundo esta referida tradição, depois de pregar seis anos na região da Espanha, Tiago retornou à Palestina onde foi decapitado, mas sepultado em Compostela, norte da Espanha. “Ainda de acordo com a tradição, seu corpo sepultado em Jerusalém foi depois transferido pelos seus discípulos para a Galiza. Seus restos são venerados na catedral de Santiago de Compostela” (VILCHES: Op. Cit.). Se bem, que a autora parece discordar de alguns dados da tradição, uma vez que, segunda ela, os “… estudiosos não chegaram a nenhum acordo quanto à confiabilidade desses relatos. Há discordâncias de datação que não se encaixam” (Ibidem). O mais emblemático desta posição da Igreja Católica é que, ao chegar à Espanha para pregar o Evangelho, Tiago encontrou Maria quando ainda era viva, ainda que para esta igreja Maria não morreu, e sim, foi assunta ao céu de corpo e alma.

De acordo com uma antiquíssima tradição, venerada e viva ao longo dos séculos, a Virgem Maria quando ainda morava neste mundo, isto é, antes de subir em corpo e alma aos céus, veio a Zaragoza para confortar e alentar ao Apóstolo São Tiago que no momento, encontrava-se às margens do rio Ebro, pregando o Evangelho. Este fato situa-se na noite do dia 2 de janeiro do ano 40 da era cristã [8].

Bem, segundo esta tradição, repito, o retorno de Tiago à Jerusalém para morrer a mando Herodes Agripa, foi orientado por Maria, que ao mesmo tempo em que apareceu a Tiago na Espanha, estava ainda – viva – morando em Éfeso.

Tendo executado em Zaragoza a ordem de Maria, Tiago constituiu uma comissão de doze discípulos, entre os quais também homens doutos, que deviam continuar a obra, que começara com tantas dificuldades e tribulações. Em seguida partiu da Espanha para Jerusalém, como lhe ordenara a Virgem. Nessa viagem visitou em Éfeso Maria, que lhe predisse a morte próxima, em Jerusalém, consolando e confortando-o. Tiago despediu-se de Maria e do irmão e continuou a viagem para Jerusalém, onde foi decapitado.[9]

O certo é que depois disto, afirma Vilches, um templo foi construído no norte da Espanha, hoje Santiago de Compostela, que tornou-se a “Rota Jacobeia” (Rota de Santiago) e o apóstolo tornou-se “…  São Tiago, ou Santiago, como é chamado no país, é o padroeiro da Espanha” (VILCHES). Esta tradição é corroborada pela Igreja Católica que escolheu o dia 25 de julho [10] como dia de “festejo” a Santiago.

Percebe-se aqui a grande distância existente entre a interpretação protestante e a tradição católica acerca de Tiago Maior e dos outros Tiago mencionados na Bíblia.

Considerações Finais

O apóstolo Tiago Maior recebeu este nome (ou apelido) porque era mais alto do que o outro Tiago, também apóstolo, e junto com seu irmão João, foram chamados de Boanerges por causa de seu temperamento forte e impetuoso. No entanto, Tiago, não era somente uma pessoa de temperamento forte, mas também fiel e companheiro com Jesus em horas de aflições, apesar de dormir quando a perseguição foi mais intensa (Mt 26.43).

A morte de Tiago Maior, a mando de Herodes Agripa, em 44, cooperou para a glória de Deus, que como disse Jesus, ele beberia do seu cálice (Mt 20.23), da mesma forma como disse a Pedro acerca de sua morte e “… com que morte havia ele de glorificar a Deus” (Jo 21.19).

Não rejeitamos a possibilidade de Tiago ter chegado à Espanha após o Pentecostes de Atos 2, embora o Novo Testamento, cuja finalização ainda não tinha acontecido, não diz nada a respeito disto, assim como de outros apóstolos também. Mas o fato de ter tido encontro com Maria na Espanha (quando esta ainda vivia) e de ter-se tornado “padroeiro” da Espanha, deixamos isto com a Igreja Católica.

 –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –

Veja também:

–  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –

Referências bibliográficas:

  • DOUGLAS, J.D. (Org.). O Novo Dicionário Bíblia, Vol. II e III. São Paulo: Vida Nova, 1979.
  • GONZÁLEZ, Justo L. E até os confins da Terra: uma história ilustrada do cristianismo, Vol. 1 – A Era dos mártires. São Paulo: Vida Nova: 1995.
  • MILLER, Andrew. A História da Igreja – Vol. 1. São Paulo: Depósito de Literatura Cristã: 2011.
  • NOSSA Senhora do Pilar. Disponível em: <http://www.derradeirasgracas.com/4.%20Apari%C3%A7%C3%B5es%20de%20N%2 0Senhora/Nossa%20Senhora%20%20do%20Pilar.htm>. Acesso em 12/03/2016.
  • SHEDD, Dr. Russel P. (Editor). O novo Comentário da Bíblia, Vol. I e II, São Paulo: Vida Nova, 1983 (reimpressão).
  • VILCHES, Isabel Orellana. São Tiago Maior: Primeiro mártir entre os apóstolos, padroeiro da Espanha. Disponível em: <https://pt.zenit.org/articles/sao-tiago-maior- primeiro-martir-entre-os-apostolos-padroeiro-da-espanha/>. Acesso em 12/03/2016.
  • UNIVERSO Católico. Os Tiagos Apóstolos. Disponível em: <http://www.universocatolico.com.br/index.php?/os-tiagos-apostolos.html>. Acesso em 11/03/2016.

Notas:

[1] Todas as citações bíblicas inseridas neste texto são extraídas da versão ALMEIDA, Corrigida e Revisada Fiel. Disponível em <https://www.bibliaonline.com.br/>. Acesso em 19/02/2016.

[2] Santiago em Oração, obra do renascentista holandês Rembrandt, representando o Apóstolo “Tiago Maior”, pintada em 1661. Esta obra foi vendida por “… US$ 25,8 mi em Nova York”, em 2007. Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/ultnot/2007/01/25/ult26u23300.jhtm>. Acesso em 19/02/2016.

[3] Que a mãe de João [e Tiago] se chamava Salomé é uma inferência baseada em Mc 16:1 e Mt 27:56; pois a terceira mulher que, segundo é declarado, acompanhou as duas Marias até o túmulo, é designada como Salomé, por Marcos, e por Mateus como “’mulher de Zebedeu’”. Salomé é usualmente considerada como irmã de Maria, a mãe de Jesus, porque, em Jo 19:25, quatro mulheres aparecem perto da cruz, as duas Marias mencionadas em Marcos e Mateus, a mãe de Jesus, e a irmã de Sua mãe. Se essa identificação é correta, João [e portanto, também Tiago, pois ambos eram irmãos] era primo de Jesus pelo lado de sua mãe” (DOUGLAS, J.D. (Org.), Vol. II, p. 830).

[4]De todos os doze apóstolos, João, o Apóstolo Amado e filho de Zebedeu, tornou-se o mais destacado teólogo, tendo morrido de morte natural, em Éfeso, no ano 103 d.C., quando tinha 94 anos. Segundo o bispo Polícrates de Éfeso em 190 (atestada por Eusébio de Cesareia na sua História Eclesiástica, 5, 24), o Apóstolo “dormiu” (faleceu) em Éfeso. Contudo, conta-se que a tumba estava vazia quando foi aberta por Constantino para edificar-lhe uma igreja”. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o,_o_Evangelista#Morte>. Acesso em 04/03/2016.

[5] Cf. DOUGLAS, J.D. (Org.), Vol. III, p. 1608.

[6] No sítio Universo Católico parece indicar que Tiago foi para a Espanha, logo “… após a crucificação de Jesus Cristo”, enquanto no texto de Isabel Orellana VILCHES, aparece que esta vinda à Espanha se deu após o Pentecostes, pois segundo ela, Tiago “… estava em Jerusalém no momento da vinda do Espírito Santo”.

[7] Por exemplo: Universo Católico; VILCHES, Isabel Orellana; Nossa Senhora do Pilar. Sítios citados nas referências bibliográficas.

[8] Disponível em: <http://www.derradeirasgracas.com/4.%20Apari%C3%A7%C3%B5es%20de%20N%20 Senhora/Nossa%20Senhora%20%20do%20Pilar.htm>. Acesso em 12/03/2016.

[9] Disponível em: <http://www.derradeirasgracas.com/4.%20Apari%C3%A7%C3%B5es%20de%20N%20 Senhora/Nossa%20Senhora%20%20do%20Pilar.htm>. Acesso em 12/03/2016.

[10] 25 de julho. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/25_de_julho>. Acesso em 12/03/2016.

Esta entrada foi publicada em Teologia e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Tiago Maior

  1. Obrigado, Ricardo. Abraços!

  2. Ricardo carvalho disse:

    Muito bom gostei!!!!

  3. Sheila Amorim Costa disse:

    👏👏👏

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.