Grécia Antiga (resumo)

Os gregos se desenvolveram no sudeste da Europa, entre os mares Egeu e Jônio e em vários pontos do Mediterrâneo. Humanistas, se preocupavam com o ser humano, nos mais diferentes aspectos. Até alguns deuses gregos tinham características humanas.

Chamavam a sim mesmo de Helenos, e seu território, Hélade. Gregos e Grécia foi uma denominação posterior, utilizada pelos romanos.

Os gregos chamavam a outros povos de bárbaros.

O relevo montanhoso e as dificuldades de comunicação contribuíram para impedir a unidade política da região. Assim, os gregos se desenvolveram em cidades-estado, denominadas pólis.

A história da Grécia Antiga se divide em cinco períodos: Pré-Homérico, Homérico, Arcaico, Clássico e Helenístico.[1]

Grécia Antig

Mapa da Grécia por volta de 1200 a.C.[2]

1. Período Pré-Homérico (+/- 2000 a 900 a.C.):

Tribos de pastores nômades chegaram à Grécia em sucessivas ondas migratórias. Entre estas tribos estavam os aqueus, jônios, eólios e dórios. Os aqueus desenvolveram a civilização micênica, absorvendo alguns aspectos culturais da civilização minoica (região de Creta, a maior ilha do mar Egeu). A civilização minoica se desenvolveu na ilha de Creta, ao sul da Grécia. Seu nome deriva de Minos, como era conhecido o seu rei. Os minoicos são considerados talassocráticos (governo ou força do mar), por terem desenvolvido forte poder marítimo. Considera-se que os complexos palácios de Cnossos, capital cretense, deram origem ao mito do Minotauro.

2. Período Homérico (+/- 900 a 700 a.C.):

Período conhecido por causa das obras de Homero, a quem se atribui os dois famosos poemas Ilíada e Odisseia. Estes poemas deram base para a compreensão deste período. A Ilíada narra a guerra entre Grécia e Troia (Ílion), na Ásia Menor. Por sua vez, a Odisseia narra o retorno de Ulisses (Odisseu) à sua terra natal. Neste período, a vida na Grécia tinha por base a grande família, denominada Genos (comunidades gentílicas = clãs). A Terra era de todos e a produção, igualmente dividida. No entanto, o crescimento da população e a falta de terras férteis fizeram estas comunidades entrarem em crise. Os escravos passaram cada vez mais a fazer parte das atividades econômicas. Surgiram, então, as cidades-estado, cada uma com organização social e política próprias. Exemplos de cidades-estado: Atenas, Esparta, Tebas, Corinto, entre outras. Algumas cidades-estado tinham uma acrópole, que era a parte mais alta, com função estratégia, religiosa e comercial.

3. Período Arcaico (+/- 700 a 500 a.C.):

Período caracterizado por um grande aumento populacional, que levou a fundação de colônias, como Bizâncio, Siracusa e Nápoles. Neste período, desenvolveu-se a filosofia, que significa “amor à sabedoria”, uma das maiores contribuições gregas para a civilização ocidental. Além disso, as cidades-estado se desenvolveram. A aristocracia, com cada vez mais poder, passou a comandar. A política passou por várias transições, até o surgimento da democracia. A democracia grega atingiu seu apogeu com Péricles, no século V a.C. Limitada a uma parcela da população, apenas homens livres adultos eram considerados cidadãos. Mulheres, crianças, escravos e estrangeiros não eram considerados cidadãos. Logo, não podiam votar.

Imagem de uma ostraca, objeto em que se escreviam os nomes dos condenados ao ostracismo. Essa é a ostraca em que foi escrito o nome de Themistocles, estadista e general grego.[3]

Ostraka

A votação era feito na ostraka, ou conchas (exemplo ao lado). As leis, ou assuntos relativos a votação, variavam. Denominava-se ostracismo o ato de exilar indivíduos através do voto na ostraka.

A democracia grega era denominada direta, pois o cidadão votava direto nas leis. Nossa democracia é denominada representativa, pois votamos em representantes que, por sua vez, votam nas leis. Vale ressaltar que, geralmente, os participantes das assembléias pertenciam a grupos de elite, com grande número de escravos.

4. Período Clássico (+/- 500 a 338 a.C.):

Considerado por alguns historiadores, a “Idade do Ouro” da civilização grega. Neste período, algumas cidades-estado se uniram para enfrentar os persas, nas Guerras Médicas (490 a 448 a.C.). No final das Guerras Médicas, os gregos saíram vitoriosos. Por ter liderado os gregos na vitória contra os persas, Atenas se tornou uma das cidades-estado mais importantes da Grécia. Reuniu outras cidades sob sua influência, através da Liga de Delos. Esparta não concordava com a liderança de Atenas e criou a Liga do Peloponeso. As duas cidades acabaram entrando em um conflito chamado Guerra do Peloponeso. Acompanhe este vídeo do professor Israel Batista sobre as Guerras Pérsicas e Peloponeso:
Desta guerra, Esparta saiu vitoriosa. Alguns historiadores defendem que os conflitos envolvendo Atenas e Esparta têm origem nas grandes diferenças entre as duas cidades-estado.

Atenas X Esparta
Havia grandes diferenças entre a organização social e política de 
Atenas e Esparta:

Atenas:
- Era uma cidade de navegadores, agricultores, filósofos e artis-
  tas. 
- Foi o berço da democracia grega.
- A educação em Atenas tinha como objetivo a formação completa do
  homem, nos aspectos físico, intelectual e artístico.
- A sociedade ateniense era composta por cidadãos, que eram proprie-
  tários de terra, comerciantes e artesãos; metecos, estrangeiros
  que não tinham direito de propriedade e escravos, que eram os pri-
  sioneiros de guerra ou condenados por dívidas.
- A política em Atenas era formada por uma Eclésia, espécie de Assem-
  bleia, cujas funções eram vigiar os juízes, resolver todos os ne-
  gócios da cidade e, principalmente, votar as leis; um Conselho
  dos Quinhentos ou Bulé, cuja função era preparar as leis, compos-
  to por membros escolhidos por sorteio e que tinham mandato de um
  ano e Heleia, o principal órgão de justiça, uma espécie de tribu-
  nal, cujos integrantes eram escolhidos por sorteio entre os cida-
  dãos.

Esparta:
- Era uma cidade militarista, aristocrática e conservadora.
- A educação em Esparta tinha como objetivo dar a cada indivíduo a
  perfeição física, coragem e disciplina para que se tornasse um
  soldado ideal.
- A sociedade espartana era composta por espartanos, nobres que vi-
  viam das atividades ligadas ao Estado; hilotas, servos do Estado
  que trabalhavam no campo; periecos, pequenos proprietários de ter-
  ra, comerciantes, artesãos e soldados.
- A política da cidade de Esparta era formada pela Gerúsia ou Conse-
  lho de Anciãos, presidido por dois reis e composto por 28 membros
  vitalícios com mais de 60 anos (os gerontes), cuja função era ela-
  borar as leis e decidir sobre assuntos de política externa; pelos
  Éforos, em número de cinco e eleitos por um ano, responsáveis por
  vigiar as ações dos reis e da Gerúsia, dirigiam a educação e exer-
  ciam a justiça e pela Ápela ou Assembleia Popular, da qual parti-
  cipavam os espartanos com mais de 30 anos, cuja função era consul-
  tiva, e cujos membros escolhiam os gerontes e os éforos.

5. Período Helenístico (+/- 338 a 30 a.C.):

Após a Guerra do Peloponeso, a Grécia continuou agitada por causa de lutas internas. Filipe, rei da Macedônia, aproveitando-se disso, dominou toda a Grécia. Seu filho, Alexandre Magno, continuou as conquistas, construindo um rápido e vasto império, que se estendeu até a Índia. Morreu aos 33 anos de idade. Suas conquistas ajudaram a difundir a cultura grega para o oriente. Esta fusão entre a cultura grega e oriental (egípcia, mesopotâmica e persa) é denominada helenismo3. O império de Alexandre enfraquece após sua morte, em 323 a.C. O governo do império é dividido entre seus generais, e no século II  é absorvido por Roma.

Cultura grega

Os gregos acreditavam que a verdadeira sabedoria pertencia aos deuses, mas que o ser humano podia – e devia – procurar e amar essa sabedoria. Ao fazer isso, tornava-se um filósofo.

A procura pela sabedoria é, talvez, o principal legado dos gregos à nossa cultura.

Perguntar, pensar, questionar, inquirir, organizar o conhecimento. Desejar saber como são os animais, as plantas, as doenças, os fenômenos da natureza, o comportamento das pessoas. Nesse desejo dos gregos em desvendar o ser humano e o mundo está a origem de grande parte de nosso conhecimento atual. Sem a filosofia dos gregos talvez não existissem a história, a medicina, a matemática, a física, a química.

Isso já seria o suficiente para destacar a importância dos gregos para nossa cultura. Mas deles herdamos ainda o teatro e os jogos olímpicos.

De onde vinha o interesse pelo mundo e a originalidade da cultura grega? O que tornou esse povo tão especial para nós?

  • Mitologia:

Os gregos deuses gregos apresentavam características humanas, tanto na forma física como no comportamento e nos sentimentos, pois sentiam ira, ciúme e as mais diversas emoções. A única coisa que os diferenciava dos seres humanos era a imortalidade. Sobre a origem e a vida dos deuses, os gregos contavam diversas histórias, chamadas mitos. O conjunto dos mitos é chamado mitologia. Em geral, os mitos respondiam às seguintes perguntas: De onde vêm os deuses? Por que eles têm este ou aquele poder? O que eles fizeram para criar o mundo? Que lugar os deuses reservam ao ser humano? Cada deus grego tinha atributos específicos.

Os gregos acreditavam que nas origens de sua história viveram pessoas nascidas da união de um deus com um mortal, eram os semideuses. Esses heróis distinguiam-se por ações extraordinárias, feitos e proezas que estavam acima da capacidade de qualquer mortal.

Teseu e o Minotauro

Cada cidade grega cultuava a memória de um herói. Os atenienses, por exemplo, cultuavam Teseu, considerado o fundador de sua cidade. Atribuíam-se a pacificação da região, outrora cheia de salteadores, e também a morte do Minotauro, um ser metade homem e metade touro. Na imagem, a luta entre  Teseu e o Minotauro.

Héracles, Hércules para os romanos, foi o herói grego mais conhecido e amado. Filho de Zeus e de uma mortal, Alcmena, foi perseguido pela cólera de Hera, esposa de Zeus. Esta obrigou-o a colocar-se a serviço de seu primo Euristeu, que lhe impôs duras provas, das quais Héracles sempre saiu vencedor. Essas provas são conhecidas como Os doze trabalhos de Hércules.

Outro herói grego muito famoso foi Prometeu. Segundo a lenda, ele roubou de Zeus o fogo e ensinou os seres humanos a usá-lo. Havia ainda Perseu, herói de Tirinto, que decepou a cabeça da medusa, monstro que transformava em pedra quem olhasse.

Édipo rei

Édipo, o herói de Tebas, decifrou o enigma da esfinge, monstro com a cabeça de mulher e corpo de leão. Contavam os gregos que a esfinge propunha enigmas aos viajantes, nas proximidades de Tebas, e devorava quem não os decifrasse. O enigma proposta a Édipo foi o seguinte: qual é o animal que anda sobre quatro pés de manhã, sobre dois, ao meio-dia, e sobre três, à noite? Édipo respondeu: “é o ser humano, pois engatinha quando criança, caminha ereto na idade adulta e na velhice se utiliza de uma bengala para andar.” O monstro, vencido, precipitou-se no mar.

Édipo rei, que posteriormente, no século XIX, foi utilizado por Freud para falar do amor dos filhos para com os pais durante a infância.[4]

 Veja também as imagens[5] a seguir:

Imagens gregs

  • Olimpíadas

Em honra aos deuses, erguiam templos e organizavam festas. Nas festas havia procissões, espetáculos musicais e teatrais, jogos e competições atléticas. Os jogos mais famosos entre os gregos eram os da cidade de Olímpia, realizados de quatro em quatro anos, em homenagem a Zeus. Denominavam-se jogos olímpicos ou olimpíadas[6], e deles participavam quase todas as cidades gregas. As provas consistiam em corridas a pé, a cavalo ou em carros puxados por cavalos, luta livre, lançamento de disco, salto em altura e concursos musicais e de poesia. Os vencedores recebiam como prêmio uma coroa de ramos de oliveira ou de loureiro e eram aclamados como heróis em toda a Grécia.Olimpíadas:

  • Arquitetura, escultura e pintura

A principal inspiração dos artistas gregos eram os deuses e os heróis. Em homenagem a eles, foram construídos templos em todo o mundo grego.

Arte greg

A arquitetura da Grécia Antiga destacou-se por três estilos principais: o dórico, caracterizado pela sobriedade das linhas e pela solidez das construções; o jônico, um estilo elegante e leve; e coríntio, caracterizado por um capitel ornamentado em forma de folhas.

O mais notável conjunto arquitetônico de Atenas era o da Acrópole, construído no período Arcaico. No século V a.C.; com Péricles, a arquitetura ateniense alcançou grande destaque. Dessa época, destaca-se o Partenon, templo da deusa de Atena.

Na escultura, além da temática religiosa, os gregos inspiraram-se em temas rurais, nos sentimentos humanos, em cenas desportivas e em muitos aspectos da vida diária. Os escultores que mais se destacaram foram Fídias e Míron.

Em muitos objetos de cerâmica, como pratos e vasos, eram feitas pinturas representando cenas mitológicas e costumes gregos.

  • Literatura e teatro

Na literatura, destacaram-se obras como a Ilíada e a Odisseia, cuja autoria se atribui a Homero; Teogonia, de Hesíodo, que narra a origem do mundo e a história dos deuses. Hesíodo escreveu ainda Os trabalhos e os dias, em que descreve a situação social dos pequenos proprietários rurais da Grécia e transmite uma série de conselhos.

Dentre os escritores gregos, destacam-se ainda Esopo, que escreveu fábulas, e Péricles e Demóstenes, autores de importantes discursos.

O teatro foi uma das maiores criações dos gregos antigos, e sua influencia continua até hoje.

O teatro grego era composto, basicamente, por dois gêneros: a tragédia e a comedia. É provável que a origem desses gêneros esteja relacionada às festas em louvor a Dionísio, deus do vinho. Nelas, havia um coro que cantava e dançava em torno do altar do deus: aos poucos, alguns participantes do coro passaram a representar, inicialmente, cena da vida dos deuses; depois, episódios relacionados com proezas de heróis e, por fim, acontecimentos históricos ou historias envolvendo pessoas comuns. Nas apresentações, os atores, todos do sexo masculino, usavam máscaras para representar papéis de ambos os sexos.

Os principais autores de tragédias foram:

– Ésquilo (525-456 a.C.), considerado o fundador da tragédia. Sua principal obra é Prometeu acorrentado.

– Sófocles (496-406 a.C.), o tema dominante em sua obra era o conflito entre o individuo e a sociedade. Escreveu Édipo rei, Antígona, Electra.

– Eurípedes (480-406 a.C.), autor de Medéia, As troianas e Alceste, entre outras. Escreveu sobre temas políticos e sociais, atacando a tirania e os ricos e louvando a democracia.

O mais famoso autor de comédias foi Aristófanes (445-386 a.C.), que satirizou a sociedade, a política, a justiça e os costumes urbanos de seu tempo. Suas principais comédias são: As rãs, As nuvens e A paz. Aristófanes costumava afirmar que a diferença entre o ser humano e os outros animais era a capacidade do riso.

  • A filosofia e as ciências

Foi na Grécia que nasceu a filosofia (philo = amizade, amor fraterno; sophia = sabedoria), estudo que busca entender por meio de explicações racionais a existência humana e a realidade do mundo.

Sócrate, Platão e Aristóteles

Sócrates, Platão, Aristóteles[8], entre tantos outros filósofos gregos, continuam presentes ainda hoje no pensamento ocidental. Em suas obras, por exemplo, são analisados sistemas políticos e formas de governo que servem de inspiração para diversos estudiosos e teóricos de nossa época.

Os filósofos gregos procuravam explicações para os fenômenos da natureza, baseados na observação e no pensamento racional. Assim, eles não aceitavam simplesmente as explicações mitológicas. Com isso, desenvolveram uma nova forma de produzir conhecimento.

Sócrates foi um dos principais filósofos gregos. Para mostrar que todas as pessoas têm igual capacidade para aprender, ensinou cálculos sofisticados a um escravo. Por incentivar o raciocínio, Sócrates foi acusado pelas autoridades de Atenas de renegar os deuses e corromper os jovens. Acabou julgado e condenado a suicidar-se, ingerindo cicuta.

Platão, um dos mais fiéis seguidores de Sócrates, tratou da importância do conhecimento filosófico como forma de ir além da aparência e realmente compreender a natureza e a humanidade.

Aristóteles, por sua vez, dedicou-se ao conhecimento da botânica, da zoologia, da astronomia, da matemática, da física, da química e, no campo da filosofia, desenvolveu a lógica; além disso, escreveu sobre arte, política, ética, etc.

Aos gregos é atribuído também o desenvolvimento dos primeiros relatos históricos, com Heródoto e Tucídides. Em sua obra História, Heródoto narrou a luta entre os gregos e os persas. Tucídides escreveu História da Guerra do Peloponeso.

Nos estudos sobre a cura, destacou-se Hipócrates, que desenvolveu um conhecimento baseado na observação, na experimentação e no registro dos sintomas de cada doença.

Notas / Bibliografia:

  • [1] Texto adaptado de: PILETTI, Nelson & Claudino. EJA (Educação de Jovens e Adultos) – História, Ensino Fundamental, 3º Ciclo. São Paulo: Ática: 2003, pp. 54 a 68.
  • [2] Imagem disponível em: <http://pt.slideshare.net/proffatimafreitas/grecia-antiga-perodo-prhomrico-e-homrico>. Acesso em 27/05/2016.
  • [3] Imagem disponível em: <http://www.sohistoria.com.br/ef2/grecia/p3.php>. Acesso em 27/05/2016.
  • [4] Segundo Sigmund Freud, “ o Complexo de Édipo é um conjunto de desejos amorosos e hostis, que uma criança experimenta em relação aos seus pais. Em sua forma positiva, o complexo é semelhante à história do mito, ou seja, desejo da morte do rival que é a pessoa do mesmo sexo e desejo sexual pela personagem do sexo oposto. Em sua forma negativa, apresenta-se de forma inversa, ou seja, raiva do sexo oposto e amor pelo mesmo sexo. De acordo com o pensamento freudiano, o Complexo de Édipo é vivido entre os três e os cinco anos e desempenha um papel fundamental na estruturação da personalidade e na orientação do desejo humano. Ele ainda ressalta a influência do comportamento dos pais na vida da criança.” In: <https://filosofojr.wordpress.com/2008/09/30/o-mito-de-edipo-rei/>. Acesso em 27/05/2016.
  • [5] Imagens extraídas de: <http://www.sohistoria.com.br/ef2/grecia/p5.php> e <http://www.sohistoria.com.br/ef2/grecia/p6.php>. Acesso em 27/05/2016.
  • [6] A ideia de dos jogos olímpicos foi retomada há pouco mais de cem anos, com o objetivo de confraternizar os povos. Quase duas centenas de países participam dos jogos olímpicos, que compreendem 28 modalidades, incluindo competições individuais e coletivas para ambos os sexos. Os jogos olímpicos, que acontecem de quatro em quatro anos, são sediados em um dos países participantes, ou seja, não há uma sede fixa. Para que uma nova modalidade esportiva seja incluída nos jogos, é preciso ser praticada e ter campeonatos em 75 países e em quatro continentes, na versão masculina, e em 40 países e em ter continentes, na versão feminina.
  • [7] Arte dos povos Gregos. In: <http://assuntosdaana.blogspot.com.br/2012/03/arte-dos-povos-gregos.html>. Acesso em 27/05/2016.
  • [8] Os três principais filósofos gregos: Sócrates, Platão e Aristótels. Imagem disponível em: <http://www.consciencia.org/filosofia-grega-periodo-classico-socrates-platao-e-aristoteles>. Acesso em 27/05/2016.
Esta entrada foi publicada em História e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

9 respostas a Grécia Antiga (resumo)

  1. Olá, Iasmin, como este assunto é, na verdade, um resumo sobre a Grécia Antiga, sua formação não ficou muito clara no texto. Mas trata-se do Período Pré-homérico, com o surgimento das primeiras comunidades, e do Período Homérico, com a formação das cidades-estados. O link a seguir pode-lhe ajudar um pouco mais. Anote: < http://dougnahistoria.blogspot.com.br/2015/09/grecia-antiga-aula-01-formacao-da.html>. Bom estudo!

  2. iasmin disse:

    queria saber da formaçao da grecia antiga

  3. Obrigado, Cristina. Disponha!

  4. cristina prestes disse:

    obrigado professor pela contribuição ao meu conhecimento.

  5. Thais disse:

    Excelente aula! Me ajudou bastante! Obrigada pelo conteúdo.

  6. O Cavalo de Troia, também chamado Presente de Grego, é um dos principais símbolos da famosa guerra de Troia, usado como estratégia pelos gregos para derrotar os troianos. De acordo com a história narrada na obra “Ilíada” de Homero, o Cavalo de Troia era feito de madeira e totalmente oco por dentro, e que enquanto os troianos, inocentemente, foram receber o “presente”, foram surpreendidos com diversos soldados gregos que os derrotaram.

  7. Gabrielly disse:

    pra que que foi feito o cavalo de troia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.